Nota de repúdio pelo assassinato de João Alberto Silveira Freitas

Confira nota de entidades contra o homicídio de cunho racista no Carrefour

As entidades abaixo relacionadas vêm a público manifestar seu repúdio diante da morte de João Alberto Silveira Freitas (40 anos), barbaramente assassinado nesta quinta-feira (19/11) em uma unidade do supermercado Carrefour, em Porto Alegre (RS). Mais um triste caso de um homem negro, assassinado por homens brancos. Na véspera do Dia da Consciência Negra e, 325 anos após o assassinato de Zumbi dos Palmares, que foi decapitado e que teve sua cabeça exposta em praça pública por defender os negros que resistiam à escravidão, o racismo ainda persiste e vemos, em pleno século XXI, cenas bárbaras e tristes, de crimes e violências contra pessoas. Estas, que se agravam em decorrência da cor da sua pele, de seus traços físicos. Conforme dados do IPEA (Atlas da Violência, 2020), dos 56.619 homicídios ocorridos no Brasil em 2018, temos a vergonhosa estatística de saber que 77,5% foram contra negros.


Neste dia de reflexão sobre o racismo, resultado da opressão e colonialismo persistentes, que ainda busca naturalizar a dominação por meio da classificação/pilhagem de pessoas a partir do fenótipo, manifestamos veementemente nosso repúdio à toda forma de ação persecutória, criminosa e de racismo.


É inadmissível a aceitação dessa barbárie reinante no Brasil. Que o caso do assassinato do João Alberto Silveira Freitas seja investigado e que os criminosos sejam responsabilizados criminalmente.


Que reine entre nós a tolerância das diferenças da cor da pele, a democracia e a solidariedade humanizadora entre homens e mulheres.


Dourados, 20 de novembro de 2020.


Subscrevemos:


Comissão Pastoral da Terra (CPT)

Conselho Indigenista Missionário (CIMI)

Coordenação Nacional das Comunidades Quilombolas (CONAQ)

Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas (CONERQ)

Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM)

Movimento Aty Guasu

Centro de Estudos de Geografia do Trabalho (CEGeT/UNESP)

Centro de Estudos do Trabalho, Ambiente e Saúde (CETAS/UNESP)

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

Comitê de Defesa Popular

Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação – SIMTED/Dourados

Instituto Dandara MS

Grupo de Estudos sobre Território e Reprodução Social – Grupo TERRHA

Associação dos Docentes da Universidade Estadual de Mato Grosso do SUL – ADUEMS

Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia – ANPEGE

Associação Nacional de Geógrafos – AGB/Seção Dourados

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica – SINASEFE MS

Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas – IFMS Dourados

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas- IFMS Aquidauana

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas – IFMS Coxim

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas – IFMS Ponta Porã

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas – Três Lagoas

Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas – IFMS Campo Grande

Associação dos Docentes da Universidade Federal da Grande Dourados - ADUFDourados

Sindicato dos Bancários de Dourados e Região

GT-Indígena/AGB-seção Dourados


Arquivo em PDF:

Nota Repúdio final
.pdf
Download PDF • 149KB