Fórum dos Servidores realiza Ato contra PEC 186 no centro Campo Grande

Representante da ADUEMS participou do Ato em defesa do serviço público, realizado na manhã de hoje

Ato ocorreu no Centro de Campo Grande. Foto: Fórum dos Servidores Estaduais de MS.

O Fórum dos Servidores Estaduais de MS, composto por vários representantes de entidades sindicais, incluindo a ADUEMS, organizou um Ato público no centro de Campo Grande na manhã desta quarta-feira (24), para se manifestar contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/2019, a “PEC do ajuste fiscal”, que possibilita a diminuição de investimentos em políticas públicas da União, dos estados e dos municípios. Na prática, a PEC poderá reduzir salários e jornadas de servidores em até 25%, além de retirar o piso obrigatório de investimentos em saúde e educação, conforme definido hoje pela Constituição Federal.


O vice-presidente da ADUEMS, Volmir Cardoso Pereira, esteve na manifestação realizada no semáforo entre a avenida Afonso Pena e a rua 14 de Julho. Houve panfletagem e faixas e cartazes foram exibidos no centro da cidade, visando conscientizar a população sobre os prejuízos sociais que a PEC trará, caso seja aprovada. Segundo Volmir, “as mobilizações de rua precisam ocorrer, mesmo com todas as dificuldades geradas pela pandemia, pois temos que estar próximos das pessoas, alertar sobre o que está acontecendo. As redes sociais têm sido uma ferramenta importante, mas os políticos só começam a nos ouvir quando vamos pra rua, fazendo intervenções nos espaços públicos da cidade”.

De acordo com o vice-presidente, “o povo também está descontente com a crise no país, e estão tentando jogar os servidores públicos contra o povo, dizendo que é preciso cortar despesas do Estado para pagar o auxílio emergencial, o que é um absurdo. Ao invés de ampliarem os investimentos sociais na hora em que mais se precisa, ao invés de cobrarem mais impostos dos bilionários e especuladores, querem cortar do serviço público.”


Apresentada em novembro de 2019 pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a proposta faz parte do projeto neoliberal de desmonte do Estado de bem-estar social, agenda defendida por Jair Bolsonaro desde sua campanha. Além da possível redução de salários, a PEC também pretende vedar a realização de concursos públicos e a contratação de pessoal, além de proibir o pagamento retroativo de despesa de pessoal. Outro ponto que ataca frontalmente os trabalhadores é que, em casos de excesso de arrecadação ou superávit financeiro, a proposta busca reservar o excedente para o pagamento de dívidas, e não para investimentos na área social ou em serviços públicos.


As mobilizações têm sido feitas nas redes sociais, visando pressionar os parlamentares a não votarem contra os servidores e o povo, através de ligações e envios de e-mail. Uma enquete está disponível para votação da população em geral.


A votação da PEC 186/2019 deve ocorrer nesta quinta-feira (25), no Senado Federal.