Aduems é contra o fechamento da Faind

A Faculdade Intercultural Indígena da UFGD é um direito conquistado!



Nesta terça-feira (10) acadêmicos do curso de Licenciatura em Educação no Campo, da Faind (Faculdade Intercultural Indígena) da UFGD, fizeram uma grande manifestação contra ameaças de fechamento da faculdade.


A Aduems (Associação dos Docentes da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), representada pelo seu presidente, o Professor Esmael Machado, se manifesta contra o fechamento do curso. “Essa possibilidade é um retrocesso para a comunidade indígena e temos que lutar para que isso não aconteça, pois a educação pública de qualidade precisa ser para todos que procuram e precisam dela, só assim conseguiremos transformar realidades”, disse.

Em abril, estudantes da Licenciatura Indígena Teko Arandu, também se manifestaram na reitoria da universidade com a mesma pauta e chegaram a se reunir com o reitor pró-tempore da universidade e apresentar suas reivindicações.


No entanto, a reivindicação da comunidade acadêmica da Faind pelo financiamento necessário para sua manutenção não é recente. Já em 2016, o movimento estudantil chegou a ocupar a reitoria da UFGD reivindicando a continuidade do curso e abertura de novo edital de vestibular, o que foi conquistado pelo movimento à época.


No ato desta terça-feira, estudantes se revezaram ao microfone no palco do Centro de Conivência da universidade para ler documento com reivindicações. Entre elas, os acadêmicos pedem a inclusão dos cursos da Faind na matriz OCC (Orçamento, Custeio e Capital) da universidade para garantir refeições, bolsas, material didático pedagógico, ciranda infantil e infraestrutura.


Outras demandas apresentadas são a construção de uma Casa de Alternância para os estudantes da faculdade e o custeio integral por parte da UFGD, para todos os semestres, dos transportes, alimentação e alojamento, sem mais redução da jornada de estudos, como já ocorreu no primeiro semestre 2022.


Reitoria


Lino Sanabria, reitor pró-tempore da UFGD, declarou que esteve em Brasília no final de março, em agenda no MEC, para solicitar recursos. O reitor foi informado que não há possibilidade de financiamento para os cursos da Faind nos moldes em que são ofertados. Haveria apenas a possibilidade de o MEC financiar mais uma turma da Licenciatura indígena, enquanto que, para o curso de Licenciatura do Campo, não há previsão de recurso.


Como funciona a Faind


A Faind tem um regime de pedagogia de alternância, em que os estudantes vêm à universidade para etapas presenciais, normalmente com duração de 15 dias, e realizam outras atividades de campo nas suas comunidades de origem.

Para as etapas presenciais é necessário alojamento, alimentação e transporte aos acadêmicos durante a estadia em Dourados. É principalmente para atender essas demandas que a faculdade tem sofrido com o estrangulamento orçamentário.

A faculdade tem formado profissionais da educação capacitados para atuar em escolas indígenas e escolas do campo. Os professores e professoras saem licenciados em alguma dessas áreas: Ciências Humanas, Linguagens, Matemática ou Ciências da Natureza. A descontinuidade dos cursos deve desamparar comunidades inteiras, principalmente crianças e adolescentes, que dependem de educadores com formação específica para atuar em seus contextos e territórios.


Abaixo assinado


Além da manifestação, entidades e movimentos organizam um abaixo assinado. O "Manifesto Nenhum Curso a Menos na UFGD" tem mais de 500 apoios e segue coletando assinaturas por meio da plataforma Avaaz.


Redação: Karina Vilas Boas I Aduems e Franklin Schmalz | SINTEF UFGD

Fotos: Iara Cardoso | SINTEF UFGD